Litoral

Projeto Rio Vivo é retomado em evento de pesca em Guaratuba

Para ouvir a matéria, clique no play abaixo:

O Projeto Rio Vivo da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest) foi retomado no sábado (24), em Guaratuba, com o Festival Sul Brasileiro de Pesca. A iniciativa busca a preservação das bacias hidrográficas do estado com o repovoamento de espécies de peixes nativos e o estímulo do turismo de atividades aquáticas.

Na abertura do evento foram soltas matrizes de Robalo. “É uma espécie que garante a renda de muitos pescadores na região e contribui para a vida aquática da baía de Guaratuba”, ressalta o superintendente das Bacias Hidrográficas e Pesca da Sedest, Francisco Caetano Martin.

Segundo Martin, o festival é uma oportunidade de mostrar que a pesca esportiva é um ganho para o meio ambiente e para o pescador. “Um peixe vivo pode atrair turistas, e assim movimentar a economia da cidade, além de manter a procriação das espécies”, afirmou.

“Agradecemos o apoio que o Estado tem dado à pesca esportiva. Com isso, conseguimos movimentar a cidade, os hotéis, postos de combustíveis, panificadora, seguindo todos os cuidados”, diz a organizadora do evento, Giselle Furtado.

O Festival Sul Brasileiro de Pesca é o maior evento do gênero da região e foi promovido pela empresa Loba do Mar, em parceria com a Superintendência das Bacias Hidrográficas e Pesca da Sedest. Neste ano, ganhou um formato virtual em prevenção ao coronavírus.

Os 300 competidores inscritos participaram da largada, e a organização e premiação foram apresentadas para o público em live, no canal do YouTube da Loba do Mar, às 20h de sábado. Os competidores não saíram de seus barcos para evitar aglomeração.

MUDAS – Os participantes tiveram seus barcos inspecionados, receberam a régua oficial do evento para medição dos peixes, uma tabela estatística para preencher com os dados da pesca e uma muda de palmito-juçara, com folder instrutivo para o plantio.

A competição aconteceu em 3 modalidades: Caiaque, Isca Artificial e Isca Livre. Nas duas primeiras modalidades o competidor poderia pescar somente Robalo. Na Isca Livre qualquer espécie poderia ser capturada, exceto Espada e Agulha. Cada modalidade teve sua área de pesca delimitada.

A largada ocorreu às 7h e cada competidor teve que apresentar, em vídeo sem corte, a captura, medição e soltura em vida de seus peixes. Os vídeos foram enviados para a organização do evento até às 16h para avaliação. O objetivo era pegar os maiores peixes para uma soma total.

“A soltura imediata gera menos impacto ambiental porque o peixe não é deslocado de seu local de origem”, explica o coordenador da Superintendência de Pesca da Sedest, Roal Andretta.

PREMIAÇÃO – A premiação ocorreu para os 10 primeiros colocados de cada modalidade, que obtiveram a maior soma das medidas dos peixes pescados, além do prêmio para o maior peixe pescado por categoria.

É o caso da única equipe feminina do festival. As três mulheres ganharam o 1º lugar na modalidade Isca Livre e prêmio de maior peixe. “Mais do que vencer é o quanto nos divertimos pescando. “Todos dão a maior força para nós e chama a atenção de sermos a única equipe de mulheres em meio a tantas feras da pescaria”, afirma. Ela diz que espera que a vitória incentive mais mulheres a praticarem o esporte.

Os vencedores receberam um troféu. Houve sorteio de viagens a pousadas de pesca pelo Brasil, motor de barco e um barco Mega Bass, tão desejado pelos pescadores. Todos os competidores receberam uma medalha de participação, além de um kit com bebidas, aperitivos e item de pesca.

Fonte
aen PR

Redação Litorânea FM

É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos e ilustrações, por qualquer meio, sem prévia autorização do autor. A Rádio Litorânea tem o compromisso de levar a informação através de noticias da nossa região com agilidade e fidelidade aos fatos.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar